quinta-feira, 8 de março de 2012

SAUDAÇÃO ÀS MULHERES


Do pé do fogão ao Palácio do Planalto. Décadas atrás, tal ideia se chamava quimera, hoje, porém, é fato.
Mulheres..., quem desvendará os seus mistérios?
Quando aparentam fragilidade, fortes estão; quando bradam seus gritos retumbantes, frágeis se encontram; hora são Olgas Benários, hora são Paulas Fernandes; hora são Fenandas Montenegros, hora são Fridas Kahlos; hora são Joanas D’Arcs, hora são Clarices Lispectors..., mas sempre são elas mesmas, entende?
Mulheres..., quem tocará na essência intangível de vocês?
Quando damos chocolates, querem perfumes; quando damos perfumes, querem sandálias; quando damos sandálias, querem livros; aposto que se déssemos livros, quereriam flores – é por isso que eu sou a favor de dar logo um cartão de crédito.
Afinal, além dos nossos dedos anulares, o que vocês realmente querem?
Se saímos para jogar uma pelada, levam tudo ao pé da letra; se adiamos o sagrado futebol dominical em prol de um joguinho a dois, se recusam a ficar peladas.
Mulheres..., dizeis-nos logo, de uma vez por todas, o que vós quereis!
Se fazemos uma piadinha qualquer para ver os vossos sorrisos, já falam que levamos tudo na brincadeira; se ficamos em silêncio por mais de cinco minutos, perguntam logo se o gato comeu a nossa língua. Quando nos propusemos a pagar a conta da pizzaria, já gritam alto, fundamentadas de feminismo: “vamos rachar ao meio, somos independentes!”; se sugerimos uma possível divisão da mesma, carinhosamente já nos batizam de insensíveis gigolôs.
Mulheres..., seres humanos ou extraterrestres?
Se chegamos um pouquinho mais tarde em casa, reclamam do nosso atraso; se chegamos um tanto mais cedo, reclamam da antecedência; se chegamos na hora certa, reclamam da nossa pontualidade.
Ora! Que diacho sacia vocês?
Quando entram em uma briga de verdade, são capazes de enfrentar até seus piores inimigos: as horrendas baratas. Quando as vemos de longe, tão delicadas e angelicais, nem conseguimos vislumbrar as feras que são na cama. Mas quando estão umas feras, é melhor nem vislumbrar.
Mulheres..., de TPM..., nem Freud explica; de livros nas mãos, condicionam até os behavioristas; de olhar doce e complacente, são mais belas que a Constituição.
Mulheres..., donas do sexto sentido e de nossa admiração, que mais desejam da vida?
Reis, diante de vossas majestades, não passam de bobos da corte. Por mais inteligentes e espertos que formos, em frente a vocês não passamos de garotos.
Mulheres... Partiram para luta, gritaram alto, enfrentaram a sociedade machista e hoje são o que são: gigantes pela própria natureza.
E eis aqui, com todo carinho e fascinação, minha singela homenagem a todas vocês.
Parabéns!

12 comentários:

  1. Ed...adorei somos assim mesmo....nem nós nos entedemos direito,de TPM então...nossa, não tem explicação, mas a verdade é que um depende do outro para ser feliz.
    Obrigada pela homenagem.
    Anita

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. É verdade, Anita, um depende do outro.
      Eu é quem agradeço pelo carinho e atenção.

      Excluir
  2. Obrigado pelas saudações muito poética e sinceras. fiquei feliz
    por ter ti visto hoje na empresa anhanguera espero que você não se cale continue fazendo as críticas democracia é liberdade de expressão.
    Rita pina

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. De nada, Rita, eu é quem agradeço a sua atenção. Quanto a sua felicidade com a minha presença na "Casa da Moeda", pode ir se acostumando com esse estado de espírito, pois continuarei firme e forte (caso não haja melhoras) com minhas "críticas-prepotentes-negativistas", como disse o próprio coordenador do curso de pedagogia.
      Obrigado, mais uma vez.
      Fique na paz de Deus.

      Excluir
  3. Edvaldo,

    Meus sinceros agradecimentos, adorei a homenagem você está certo somos assim mesmo.

    Heidi

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Obrigado, Heidi, fico contente por ter gostado.
      Fique na paz de Deus.

      Excluir
  4. Oi Ed,

    Eis o charme de ser mulher é de fato sermos complicadas, e se me permite teria graça se fossemos previsiveis?

    Risos...

    Beijos Ed, obrigada pela homenagem a todas as mulheres!

    RGaldino

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Não, Roberta, realmente vocês não teria graça se fossem previsíveis. Essa essência misteriosa e subjetiva de vocês é que lhes dão, em meu ver, todo charme.

      Obrigado pelo carinho.

      Fique na Paz de Deus.

      Excluir

Assim que eu ler o seu comentário, responderei-o imediatamente. Grato pelo carinho.